Fórum e biblioteca oficial
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Ir em baixo
Marcelo Luiz
Marcelo Luiz
Sargento
MENSAGENS : 572

REPUTAÇÃO : 797

Cartas de um desconhecido Empty Cartas de um desconhecido

em 4/11/2019, 11:29
De: Desconhecido 
Para: Todos que tiverem acesso e quiserem viver de verdade

Senhores,
Quem vos fala não está aqui para maiores esclarecimentos.
Não sou um suicida, e nem um louco, muito menos um desiludido, mas quero deixar-lhes essas palavras.
Vivam enquanto podem! Fácil assim? Fácil assim! 
Façam o que podem para ser justos, corretos e dignos. Vivam em paz consigo e com a sensação de dever cumprido. Sejam vocês mesmos, sem olhar a grama do vizinho. Ele teve tempo para plantar a dele, assim como você tem a sua.

Paguei pelos meus erros assim como todos pagam! Vi, vivi, senti e ouvi, mas nem tudo o que decidi para mim.
Resolvi escrever essa carta poucos dias antes do ultimato, agora vou para onde todos terminarão, mas não sei se como todo mundo gostaria de estar. Logo, esse papel serve um pouco para aliviar a pressão que sinto neste momento. 

Perdoei quem pude, e pedi perdão, e por isso já me sinto muito grato. Mas ainda não perdoei alguém, a mim mesmo! Cometi um erro ao olhar para trás, e senti aquilo que senti com vinte, quarenta e sessenta anos. O remorso de não ser eu mesmo. E eu tive tempo para isso, mas hoje não dá mais. 
Fiz muito pelo que já me orgulhei, mas pouco do que deveria realmente ser! Vivi dominado muitas vezes pelo medo, e quando venci o medo, percebi que o trem já havia passado e mais uma vez estava eu sozinho naquela estação cinzenta. Não falo de dinheiro, ou bens, ou sei lá o que todo mundo diz... Falo de mim e da vida que planejei. Tive de tudo, e ao mesmo tempo não serviu para nada. Me preocupei tanto, que no final tampouco cobriu as necessidades. 

Fui uma pessoa comum, bem casado, filhos, algum dinheiro, os bens que todos necessitam, comida... Sou imensamente grato por isso. Mas quando precisei da gratidão, meu coração estava duro como pedra, quando arrisquei, o karma dos medos passados me travava as oportunidades e podia ver portas fechadas. As melhores pessoas que conheci, as que realmente faziam a diferença, estavam chateadas como eu, e sumiam ao relento no caminhar da vida, vinham e iam como o vento do outono.

Uma lágrima escorre no papel enquanto escrevo, espero que ela seja de alívio para poder partir em paz. Agora sei que não estou atrasado pois esse trem é certeiro que virá, mas nele quero embarcar de malas feitas, porém, malas leves assim como a alma.
Deixo para os que ficam, que sirva de exemplo todos erros que cometi, mas além do mais... Estejam presentes! Isso trará o que ninguém mais está tendo, amor, paz, gratidão, felicidade plena... Todos correm atrás da felicidade como correr atrás de borboletas ou pegar o vento, é em vão... Elas vão vir naturalmente. 

Sempre me disseram para não me ocupar com o passado, e nem demais com o futuro, pois o melhor lugar é onde você está. Sempre ouvi e concordei, mas pouco pratiquei, e hoje digo com toda a certeza que sim. Passamos muito tempo preocupados com coisas que virão de um jeito ou de outro, nunca me faltou nada, mas no fim, faltou aquilo que não se pode comprar, o tempo. Mas agora é tarde para lamentar. A todos meu muito obrigado, façam aquilo que não fiz, perdoem a si e a tudo que lhe fizeram de mal, e deixem leve o coração de cada um de vocês. Sejam tudo que desejam ser, no pouco ou no muito, pois quantidade é diferente de abundância. De tudo que o dinheiro pode comprar, ele não irá comprar a vida!

______________________________________________________

"Para ser capaz, a qualquer momento, de sacrificar o que somos pelo que podemos ser"
I live to be the best!
"Não vou deixar a tristeza conseguir me dominar, saí do coma do passado pra reinar esse presente, juntei toda a humilhação e voltei bem mais potente"
Aprendiz na platéia da vida e prático na estrada da emoção!
Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum