Compartilhe
Ir em baixo
avatar
Gabriel Paz
MENSAGENS : 12

REPUTAÇÃO : 10

[TEXTO]Relato do Conde do monte cristo. FINAL.

em 7/4/2018, 23:23
FINALIZANDO...
(Parte Final)
Por Conde de M. Cristo em 09 Nov 2011, 12:17
Bom, no dia seguinte, Domingo, eu acordei e fui para a minha loja. Aliás, sobre a loja, eu já tinha pensado bem e resolvi entregar o ponto para o dono. Estava tão atolado em dívidas, não tinha mais de onde tirar, não tinha mais condições de manter o negócio em pé, além de estar desanimado em continuar a frente por conta disso. Já lhe devia 2 meses de aluguel e durante a semana seguinte me reuni com ele para definir esses detalhes. Já falo sobre isso mais adiante. 
Fechei a loja e liguei para a Aline dizendo que iria passar lá para pegar meu DVD,TV e aparelho de som. Seriam as únicas coisas que eu queria de volta, o resto (móveis e eletrodomésticos)ficariam com ela. Cheguei lá ela estava naquele clima de velório. Recolhi minhas coisas, coloquei no carro (do meu pai, que me emprestou) e ainda conversamos um pouco. Ela me disse que na noite passada tinha saído, estava chateada com o que tinha acontecido, foi com umas amigas em uma balada. Eu nem dei muita atenção a isso e queria ver com ela sobre a casa, pois teria que devolver a chave na imobiliária. Tratamos disso, combinamos de durante a semana resolver essa situação. O que eu deixei lá na casa acabou indo para a casa da mãe dela. Enfim, de certa forma estava resolvido essa questão. 
Semana que segue. Era metade de setembro e na conversa que tive com o dono do ponto, chegamos ao acordo de lhe entregar no último dia do mês. 
Fiquei lá por mais uns 20 dias se não me engano. 
Na segunda-feira fui a lan house para olhar o orkut da Aline, ver o que ela estava fazendo ultimamente. Como fazia tempo que não via, me despertou a curiosidade. Foi então que eu descobri que ela estava saindo com um cara, pelos papos que eu vi por lá. Deduzi então que ela já estava saindo a um bom tempo com ele e provavelmente era a respeito dele que ela cochichava com a prima no sábado quando eu me dei conta do que estava acontecendo. 
Naquele mesmo dia ela me ligou.  Aquela mesma babaquice, querendo saber como eu tava e tal. Nisso eu lhe falei sobre esse cara que vi no orkut dela. Ela me disse que o conheceu no sábado em que terminamos, na balada que ela me disse que foi. E que eles estavam no processo de se conhecer e tal. Não disse mais nada, me despedi e desliguei. A cara de pau/cinismo dela eram impressionantes. 
Nos dias seguintes eu continuei olhando o orkut dela. Na época eu mesmo me perguntava o porque de ficar me torturando fazendo isso, mas a minha curiosidade era maior. Ela mudou o nick para "namorando"" e ele fez o mesmo. Ela começou a colocar fotos deles dois juntos, o chamava de amor, de lindo etc. Claramente ela estava fazendo isso para me atingir.
Dias depois ela apareceu na loja. Me disse que passou para dar um oi, ver como eu estava, que apesar de tudo o que aconteceu queria que fôssemos amigos pois ela me "considerava muito". Conversamos um pouco e ela me mostrou a nova tattoo que ela tinha feito. Um enorme dragão nas costas, de ponta a ponta. Fiquei pasmo com o tamanho da demência dela. Fez isso pois o cara que ela estava namorando curtia tattoos, rock e ela queria com isso fazer uma média com ele. Ela era uma pessoa totalmente sem personalidade, extremamente volúvel. Só um detalhe. Tinha uma loja do lado da

minha em que o dono era um cara super gente boa, éramos amigos e a filha dele também era super gente boa. A Aline nas vezes que ia na época por lá acabou fazendo amizade com ela. 
Dias depois a Aline foi lá de novo. Conversamos rapidamente e em seguida, como ela tinha visto que a filha do dono da outra loja, a Silvia(nome fictício), estava lá ficaram um bom tempo conversando. Depois ela ainda veio na minha loja e começou a me dizer que me amava de verdade, estava com aquele cara por carência, pediu para sairmos aquele dia, que ia ser tudo diferente. Obviamente me neguei a todas as tentativas dela, por mais que a Matrix me empurrasse na sua direção, fui forte e bati o pé. Pedi para ela não me procurar mais, seguir a vida dela que eu seguiria a minha. Ela então me pediu um último favor, pediu que a deixasse em um lugar, na casa de uma amiga. Eu disse que não, que iria fechar a loja e iria para casa pois estava muito cansado. Mas ela insistiu,  falou que era perto dali e tal. Enfim, ela me encheu tanto o saco que acabei a levando ao local . Deu o horário, fechei aloja e fomos. Em primeiro lugar ela mentiu que era perto, era um pouco longe. Em segundo lugar não era casa de amiga dela porra nenhuma. Chegando lá ela me apontou a casa que ela iria ficar. Pediu para que eu parasse um pouco antes. Parei, ela se despediu de mim e desceu.  Eu ainda fiquei lá parado observado ela. Ligou para alguém e em seguida ela foi em direção a casa. Quando abriram o portão para ela eu sai com o carro e passei em frente. Vi que ela na verdade tinha feito eu levar ela na casa do cara, ela estava na garagem abraçando e beijando ele. Eu fiquei muito puto, sai cantando pneu e fui dali até em casa xingando ela pra caralho. Porra, eu era entregador de buceta agora, era um "Foda Delivery"? Vai tomar no cú! A vadia filha da puta tinha prazer sádico em me sujeitar a essas humilhações. 
Mas, mal eu sabia o que ela queria, de fato, vindo esses dias atrás de mim e nesse último tentar de toda forma dar para mim. A Silvia, assim como o pai dela, era minha amiga também, devido a amizade que eu tinha com seu pai e pela proximidade das lojas. Ela veio na minha loja e disse que precisava conversar comigo. Já era quase final de expediente e pudemos conversar numa boa. Ela me pediu,  antes, que eu não comentasse nada com a Aline sobre o que ela iria me falar. Aceitei e então ela me falou. 
Me disse que a Aline contou a ela que estava namorando um cara, mas que ele meio que maltratava, cagava e andava para ela, só a queria para sexo e nada mais. Ela já estava receosa sobre o futuro dessa relação, visto que o cara era baladeiro e mulherengo. Então a Aline disse para a Silvia que nas últimas transas com ele ela não usou camisinha e estava com forte suspeita de ter engravidado dele. 
Ela pensou então em transar comigo e se confirmasse a gravidez, eu assumir, sendo que era do cara e eu nem iria desconfiar. Ela disse a Silvia que me achava mais responsável para ser o pai de um filho dela do que o outro. Isso deixou a Silvia muito revoltada, pela cara de pau,  cinismo dela dizer isso. A Silvia me disse que se segurou bem para não dizer umas boas a Aline e que estava me contando aquilo para eu ficar esperto com ela. Disse a Silvia, então, que a Aline tinha me chamado para sair, mais graças a Deus usei a cabeça e não aceitei. Com isso, somado mais tudo o que ela havia me feito, definitivamente resolvi riscá-la da minha vida e seguir em frente, priorizando resolver meus problemas, dívidas, arrumar algo para fazer depois que eu entregasse o ponto. Ela tentou me ligar diversas vezes, mas eu decidi não mais atendê-la, cortar de vez qualquer contato. 
Bom, a loja já estava falida. Somando tudo, todas as dívidas que eu tinha, deu quase R$ 30.000,00 !!! 
Fiquei meio perdido, num mato sem cachorro. Não quis recorrer ao meu pai, pois ele já tinha me ajudado muito anteriormente e não queria envolvê-lo nisso, quis resolver sozinho. Afinal de contas, se eu me enfiei naquele buraco era eu mesmo que teria que sair. E, como meu próprio pai me ensinou,  eu iria assumir todas as responsabilidades pelos meus atos. Foi quando me lembrei da minha tia, aquela mesma que trabalhava como autônoma para a prefeitura e resolvi que iria trabalhar nisso até conseguir pagar tudo que eu devia e pôr minha vida em ordem. 
Fui a noite a casa dela, lhe expliquei a minha situação. Ela já estava a par de tudo o que a Aline havia me feito. Ela me adiantou para pagar as dívidas mais urgentes R$ 4.000,00. E ela descontaria aos poucos conforme fosse pagando minhas comissões das minha produções, sem juros, apenas para me ajudar. Nunca me esqueci e jamais vou me esquecer a força que essa minha tia me deu. Tenho uma dívida de gratidão eterna com ela. 
Chegou o fim do mês. Entreguei o ponto ao dono. Conversamos bastante, lhe agradeci, paguei um aluguel que estava atrasado e lhe prometi que no fim do próximo mês lhe daria o outro. Ele aceitou,  lamentou muito que não tivesse dado certo e me desejou sorte na minha nova empreitada. 
Segunda-feira, dia 1°de outubro de 2007, começava no meu novo serviço com a minha tia. Levantei cedo, tomei café e antes de sair minha mãe me desejou sorte, dizendo que eu iria sair daquela situação. Lhe agradeci, abracei-a e saí. Entrei no carro (do meu pai que me emprestaria para trabalhar) e antes de ligá-lo e sair, fiz uma oração e comecei a pensar em tudo aquilo que me aconteceu.  Me passou todo o filme, todas as humilhações a que me submeti, todas as minhas irresponsabilidades comigo mesmo. E que agora estava liberto, o pesadelo estava chegando ao fim. Eu prometi naquele momento a mim mesmo que não pouparia esforços e suor para pagar todas as minha dívidas e reconstruir a minha vida a partir de então. Provaria a mim mesmo que do mesmo jeito que me afundei naquela merda toda eu iria sair, dar a volta por cima. Não iria me abater com tudo aquilo, não iria me entregar daquele jeito. 
Fiquei de outubro a dezembro trabalhando o dia inteiro, entrei de cabeça nesse trabalho, me dediquei muito. Fazia visitas a clientes até nos fins de semana, chegava tarde em casa. Nesse período consegui pagar metade das minhas dívidas, com muito suor, trabalho e esforço. 
Nesse meio tempo, fiquei acompanhando ela pelo orkut. Ela acabou ficando com o cara, namorando sério. Ela tinha feito mais uma tattoo, desta vez com o nome do cara, no braço. Postava fotos e mais fotos deles dois juntos em baladas, shows, dia a dia. E, para a minha surpresa, fiquei sabendo depois que em dezembro daquele ano ela se CASOU com ele, de papel passado e tudo. E foram morar juntos na casa dos pais dele. 
Chegou o ano novo. Embora estivesse trabalhando bem, pagando minha dívidas, estava muito gordo, pra baixo, deprimido. No dia 31, à noite, meu irmão tinha viajado para a praia e então tinha ficado em casa só eu e meus pais. Eles se arrumavam para ir na casa da minha avó passar a virada por lá com os restante da família. Eu resolvi não ir, quis passar sozinho aquela virada, embora eles insistissem para que eu fosse. Mas pedi que eles respeitassem a minha decisão e eles assim o fizeram e foram. Eu tinha comprado umas caixas de skol lata, pus na geladeira e fiquei lá fora, no quintal sozinho, bebendo, refletindo, relembrando todas as merdas, humilhações que havia passado. Quis ficar só naquele momento, passar aquela virada daquela forma melancólica, sozinho para eu sentir/ver o quanto tudo aquilo era ruim, dolorido, triste, vergonhoso, para nunca mais me sujeitar a passar por nada daquilo novamente. Na minha cabeça, 2008 era ano de vida nova!
E assim se seguiu.  A partir de janeiro comecei a fazer uma dieta e a fazer caminhadas pela manhã. Estava com 130 kg e me dispus a mudar aquela situação. Continuei meu serviço, estava cada dia melhor, fechando bons contratos, fazendo uma ótima carteira de clientes. Eu acho que em Abril, se não me engano, eu consegui finalmente pagar todas as dívidas provenientes da loja. Faltava só limpar meu nome, o que naquela altura do campeonato era de menos, visto que as dívidas da loja envolviam nomes de terceiros e não o meu.  Por isso que priorizei pagar isso primeiro, obviamente. 
Chegamos a junho de 2008. Naquela altura já estava de nome limpo, livre de dívidas e já havia pago a minha tia o dinheiro que ela me emprestou,  assim como paguei uma grana que um grande amigo meu me emprestou posteriormente. Já tinha perdido uns 20 kg graças a minha força de vontade e determinação. Já tinha uma vida normal, tinha esquecido bem da Aline, embora sempre estava acompanhando os passos dela pelo orkut.
A essa altura já tinha computador em casa. Nesse período todo pós-Aline, conheci e cheguei a me relacionar com algumas garotas. Começava bem mas sempre acabava me dando mal. Seguia sempre o mesmo roteiro, as tratava bem, era romântico, mandava rosas, bombons, era gentil, atencioso, ligava sempre, me preocupava, fazia favores na intenção de agradar. Mas sempre elas me largavam ou me tiravam para miguxo, sendo que depois eu via que estas mesmas acabavam ficando com caras nada a ver, que cagavam e andavam para elas. 
Apesar da minha vida ter melhorado muito no aspecto financeiro, físico e psicológico, isso ainda me incomodava e me confundia muito. Afinal, como lidar com as mulheres? O que elas querem de fato? Onde eu estava errando? Eu era romântico, atencioso, cavalheiro, amigo, sensível, prestativo mas mesmo assim não conseguia me dar bem com elas? Não foi assim que eu cresci sendo ensinado pela professora na escola, pela minha mãe, pela mídia, sociedade, amigos, demais mulheres? Foi então que eu comecei a fuçar na internet sobre o assunto. Conheci os blogs e as técnicas PUAS. Pareciam ser a solução dos meus problemas. Comprei alguns e-books e comecei a colocar em prática tudo o que vi naquele material. Voltei a frequentar baladas/barzinhos e xavecava várias mulheres, usando "openers","peackokings","negs" e todas aquelas merdas que eles ensinam. Não tive muitos resultados, pois quase sempre não pegava ninguém e quando pegava, além de ser medianas, acabava caindo nas velhas armadilhas e truques da Matrix.
Teria que ser uma pessoa que não era, robotizado, sempre teria que agir daquela forma imbecil, colocando a mulher em uma condição acima da minha, vivendo um personagem que não tinha nada a ver comigo. E, como todos sabem, mais cedo ou mais tarde as máscaras sempre caem. 
Mesmo assim eu continuei fuçando pela internet. Coloquei no Google na procura: "Como lidar com as mulheres?" E apareceu várias opções. Mas a que me chamou a atenção foi um link de um tal de Nessahan Alita. Vi e pensei: "Que porra é essa?" Abri o link e vi que tinha que baixar o livro, que não teria que pagar nada. Então, baixei. 
Comecei a ler o livro. No começo eu dei risada, achava esse tal Nessahan um louco varrido que não gostava de mulher, um frustrado, revoltado. Mas, conforme fui lendo o livro comecei a me identificar com todas as situações que ele expunha ali e fui mudando minha opinião a respeito dele gradativamente. E ele tinha argumentos irrefutáveis, não dava para discordar do que ele dizia ali. Nunca na minha vida tinha visto algo tão verdadeiro, que mostrava de fato como as mulheres são.
Devorei o livro em pouco tempo. Me interessei mais pelo autor, estava admirado pelo que ele escreveu ali, aquilo tudo que ele dizia era verdade mesmo, foi um soco no meio da minha cara, um choque de realidade. Baixei todos os outros livros dele e fiquei fã de Nessahan. Ele me abriu os olhos para algo que eu jamais conseguia enxergar.
Ali já estava entendendo tudo o que eu passei até então com a Aline e as demais mulheres que já havia me relacionado. Percebi que elas tem um lado obscuro, são utilitaristas, ególatras, que se relacionam com os homens pelo que eles tem a oferecer a elas e não pelo que ele é em si. Que não adiantava nada ser bonzinho, pois elas sempre acabam premiando com o melhor delas os Canalhas/Marginais. Que nós homens somos induzidos ao erro desde que nascemos pela sociedade e mídia feminista/sexista que faz com que acreditemos que as mulheres são deusas acima do bem e do mal, que são seres puros, inocentes, frágeis, angelicais. Enfim, estava saindo do estado de coma da Matrix e despertando para a Real.
Comecei a fuçar mais ainda sobre ele, desta vez no orkut. Descobri a comunidade "Nessahan Alita" e na esteira fui conhecendo as demais, OLODM, MGHB e a Perdedor mais foda do mundo. Essa última aliás foi a que mais me chamou a atenção e descobri o blog do Silvio. Comecei a ler as Reais fudidas que o "Búfalo Viril Reprodutor, com a maior libido da América Latina" metia em cada postagem sua, a verdade cada vez mais clara esfregada na minha cara. Fiquei um bom tempo acompanhando seu blog, conheci depois o blog do Doutrina e entrei nas comunidades, mas fiquei um bom tempo só acompanhando, lendo os tópicos apenas, absorvendo o que a turma da Real escrevia, aprendendo. E também porque acessava pouco a internet naquele tempo, pois trabalhava o dia inteiro. 
Fiquei assim, apenas acompanhando as comunidades/blogs, até o início de 2010, com meu perfil real. Naquele ano eu já estava com a minha loja que tenho atualmente e passei a dispor de mais tempo. Então, resolvi criar uma outra conta no orkut, um fake, para participar/postar mais ativamente. O meu primeiro que criei foi do Batman, devido a eu ser fã deste também. Posteriormente, troquei por esse atual do Conde de Monte Cristo, pois achava que me identificava mais com esse personagem, tinha mais a ver com a minha história de vida recente.
Comecei a postar com frequência, a participar mais. Por me identificar com tudo aquilo, por achar o quão grande foi ter descoberto tudo aquilo, eu me senti em dívida com a Real, não achava justo guardar para mim apenas um conhecimento tão precioso, sendo que existem milhões de homens mundo afora que passam infernos semelhantes e até piores do que eu passei e não tem esse conhecimento. Comecei, então, a disseminar, semear a Real pela internet afora, postar o link para baixar livros de Nessahan Alita, blogs, fóruns, comunidades da Real.
Ali se iniciavam as "Peregrinações do Conde".
Bom, voltando a 2008, estava indo muito bem no serviço com a minha tia, mas a minha veia empreendedora, de comerciante falou mais alto. Resolvi, com algumas economias que eu já dispunha naquele momento mais uma força que meu pai me deu,  voltar a ter uma loja novamente. Comecei a pesquisar pontos e acabei achando esse que estou hoje, muito bem localizado e boa clientela. O início e transição foi um pouco duro, mas já esperado. Trabalhei bastante, reformei o ponto, melhorei o atendimento e deixei com uma gama grande de serviços e mercadorias. Hoje em dia estou muito bem, posso dizer que estou no caminho certo para me garantir um futuro melhor, mais tranquilo para mim. 
Sobre a Aline, estava a uns 2 anos sem ter contato algum com ela. No começo do ano passado a mãe dela me ligou,  conversamos e ela me pediu um favor. Queria que eu fosse com ela resolver uma pendência que tínhamos em comum e só eu poderia resolver por conhecer a pessoa referente a pendência e por estar meu nome atrelado a isso. Só uma observação aqui. A mãe da Aline era uma pessoa muito bacana, correta, honesta. Sempre me tratou muito bem, nas horas de aperto que tive por conta da filha dela ela chegou a me dar uma força em algumas ocasiões. Não tive qualquer problema com ela nesse tempo todo. Bom, marquei de me encontrar com a minha ex-sogra no dia seguinte. 
Eu já estava bem, tinha comprado já uma carro zero, estava magro, enfim, era um outro homem naquele momento. Chegando lá, para a minha surpresa, adivinhem quem estava lá junto? Isso mesmo, a Aline. Quando eu a vi não criei caso, a cumprimentei normalmente, conversamos um pouco. E, sinceramente, olhando para ela ali, me perguntei como que eu fiquei tanto tempo me humilhando por um lixo daquele. Ela estava aparentemente mais gorda, cabelo mal cuidado sem chapinha, tava com o semblante bem mais acabado do que eu tinha visto da última vez. Lhe perguntei como estava o casamento e ela me disse que tinha se separado pois a convivência junto com ele e os seus familiares ficou insuportável. Mesmo assim ela aguentou para não terminar o seu casamento por conta disso apenas.
Mas ela descobriu depois que o seu marido a traía com outras, sempre a deixava sozinha em casa alegando sair com os amigos para beber e na verdade saia com outras mulheres. Ela me disse que ao descobrir decidiu terminar e voltou (de novo) para a maloca que ela sempre viveu mas nunca gostou de morar lá, sempre querendo arrumar algum otário provedor que a tirasse dali. 
Estava desempregada, percebi nela um ar meio depressivo. E ela me elogiava o tempo inteiro, do tipo "Nossa, mas como você está diferente, está magrinho, lindo!"/"Puxa, que carro bonito você comprou,  parabéns!"/"Está namorando? se estiver, ela é a mulher mais sortuda desse mundo". Não procurei em nenhum momento isso, confrades, mas me senti plenamente vingado naquele momento. 
Resolvi a pendência com a mãe dela, deixei tudo em ordem. Elas me pediram uma carona, estava chovendo, mas lhes disse que não poderia pois tinha que resolver algo urgente naquele momento, não iria dar. Elas se foram, eu entrei no meu carro. Estava com uma sensação estranha, parece que tinha tirado da minhas costas um peso enorme. Sem querer eu tinha me vingado dela. Ela estava totalmente por baixo naquele momento e eu ali estava vitorioso. Como diz uma postagem do blog do Doutrina, "Sucesso, a verdadeira vingança do homem honrado".
Me lembrei, naquele momento, da frase que Edmond Dantes escreveu na parede da sua prisão, no momento de seu maior sofrimento:
"Deus me fará justiça!"
Fim!

 
Mulher é bom caras, mulher é uma delicia... mas não faça delas um objetivo de vida.

P.S: lembre-se de comentar sobre o relato, ele é riquíssimo. Principalmente para os mais novos.
avatar
Philipedebritoo
MENSAGENS : 5

REPUTAÇÃO : 1

Re: [TEXTO]Relato do Conde do monte cristo. FINAL.

em 8/4/2018, 10:26
Olha cara eu li tudo isto deu despertada minha mente em relação, as mulheres por em si elas se fazem de vítima. É a gente acaba caindo em contradição, acreditando no que elas dizem. Não diria me encontro como relato mas, vi onde estou errando pensando em mim mesmo. Hoje com quase 25 tenho meu próprio negócio Graça a Deus, moro sozinho, tenho uma renda muito boa. Dai me pergunto que mulher queria um seguro tem tudo para oferecer? Meu erro persistir de mais algo ter retorno nenhum da da pessoa que estou, dela dobro atenção, a desculpa dela sempre é a mesma isto aquilo se fazendo de vítima. Como meu pai me disse, meu filho você pode ser do mundo ter o quiser, qual quer mulher seus pés você tem abrir olho, para sua volta pessoa invejosas querendo te derrubar.
Olha parti desse relato estou decido mudar minha vida daqui em diante, Obrigado.
avatar
Gabriel Paz
MENSAGENS : 12

REPUTAÇÃO : 10

Re: [TEXTO]Relato do Conde do monte cristo. FINAL.

em 8/4/2018, 21:44
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] escreveu:Olha cara eu li tudo isto deu despertada minha mente em relação, as mulheres por em si elas se fazem de vítima. É a gente acaba caindo em contradição, acreditando no que elas dizem. Não diria me encontro como relato mas, vi onde estou errando pensando em mim mesmo. Hoje com quase 25 tenho meu próprio negócio Graça a Deus, moro sozinho, tenho uma renda muito boa. Dai me pergunto que mulher queria um seguro tem tudo para oferecer? Meu erro persistir de mais algo ter retorno nenhum da da pessoa que estou, dela dobro atenção, a desculpa dela sempre é a mesma isto aquilo se fazendo de vítima. Como meu pai me disse, meu filho você pode ser do mundo ter o quiser, qual quer mulher seus pés você tem abrir olho, para sua volta pessoa invejosas querendo te derrubar.
Olha parti desse relato estou decido mudar minha vida daqui em diante, Obrigado.

"as mulheres por em si elas se fazem de vítima." isso é a mais pura vdd pia. 
"vi onde estou errando" isso é bom
" Hoje com quase 25 tenho meu próprio negócio Graça a Deus, moro sozinho, tenho uma renda muito boa." Parabéns guerreiro! Aposto que foi com muito suor! 
"Meu erro persistir de mais algo ter retorno nenhum da da pessoa que estou, dela dobro atenção, a desculpa dela sempre é a mesma isto aquilo se fazendo de vítima." todos cometemos esse erro pelo menos uma vez, mas é bom que aconteça, eles nos permite evoluir. 
"meu pai me disse, meu filho você pode ser do mundo ter o quiser, qual quer mulher seus pés você tem abrir olho, para sua volta pessoa invejosas querendo te derrubar." isso é a mais pura vdd tbm!
"Olha parti desse relato estou decido mudar minha vida daqui em diante, Obrigado." EU QUE AGRADEÇO VC TER CONTRIBUÍDO COM O POST, é que nem eu disse esse relato é muito rico e podemos aprender muito com ele, salve ele no seu pc e leia a cada determinado tempo para vc se manter afiado.
TMJ cara!
Conteúdo patrocinado

Re: [TEXTO]Relato do Conde do monte cristo. FINAL.

Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum