Compartilhe
Ir em baixo
avatar
StarLord
Major
MENSAGENS : 1710

REPUTAÇÃO : 1397

[TEXTO] Trecho do livro "A sutil arte de ligar o foda-se"

em 21/3/2018, 16:16
Reputação da mensagem: 100% (2 votos)
As desventuras do Panda da Desilusão
Se eu pudesse inventar um super-herói, seria o Panda da Desilusão. Com uma
máscara cafona nos olhos e uma camiseta que não cobriria sua enorme barriga
de panda, ele teria o superpoder de dizer às pessoas duras verdades sobre si
mesmas. Verdades que elas precisam ouvir, mas não querem aceitar.
O Panda da Desilusão iria de porta em porta como um vendedor de Bíblias,
tocando a campainha e dizendo coisas como “Claro, ganhar muito dinheiro faz
você se sentir bem, mas não vai conquistar o amor dos seus filhos”, ou “Se você
precisa pensar antes de responder se confia na sua esposa, é porque não confia”,
ou “O seu conceito de ‘amizade’ não passa de constantes tentativas de
impressionar os outros”. Em seguida, ele desejaria um bom-dia a quem o atendeu
e seguiria muito pimpão para a casa seguinte.
Seria incrível. E doentio. E triste. E inspirador. E necessário. Afinal de contas,
as maiores verdades da vida são as mais desagradáveis de se ouvir.
O Panda da Desilusão seria o herói que ninguém deseja, mas de que muitos
precisam. Ele seria a salada verbal no fast-food da nossa alimentação mental.
Tornaria nossa vida melhor, apesar de nos deixar deprimidos por um tempo. Ele
nos deixaria mais fortes ao nos destroçar, iluminaria nosso futuro ao nos mostrar
a escuridão. Ouvir o que o Panda tem a dizer seria como ver um filme em que o
protagonista morre no final: apesar das lágrimas, você adora, porque é
verossímil.
Então, já que estamos aqui, permita-me colocar minha máscara de Panda da
Desilusão e jogar mais uma verdade desagradável na sua cara:
Sofremos pelo simples fato de que sofrer é biologicamente útil. O sofrimento é
o agente preferido da natureza para inspirar mudanças. A evolução nos fez viver
constantemente com certo grau de insatisfação e insegurança, porque é a criatura
levemente insatisfeita e insegura que faz o máximo para inovar e sobreviver.
Somos programados pela natureza para ficar insatisfeitos com tudo que temos e
desejar apenas o que não temos. Essa insatisfação permanente faz nossa espécie
seguir lutando e progredindo, construindo e conquistando. Então, não: nossa dor
e tristeza não são uma falha da evolução humana. Pelo contrário: são um recurso
essencial dela.
A dor, em todas as suas formas, é o meio mais efetivo de que nosso corpo
dispõe para gerar ação. Imagine algo simples, como dar uma topada com o dedão
do pé. Se você for como eu, sua reação é gritar tantos palavrões que fariam o
papa Francisco chorar. Ou você culpa o pobre objeto inanimado pelo seu
sofrimento. “Mesa escrota”, diz. Ou talvez chegue ao ponto de questionar toda a
sua visão sobre design de interiores com base no dedo latejante: “Que tipo de
idiota coloca uma mesa aqui?”
Mas voltemos. Aquela dor horrível no dedo, que eu, você e o papa odiamos
tanto, tem um motivo importante para existir. A dor física é um produto do
sistema nervoso, um mecanismo de resposta que nos permite desenvolver a
noção espacial de nossas proporções físicas — aonde podemos ou não podemos
ir, o que podemos ou não tocar. Quando excedemos esses limites, nosso sistema
nervoso nos pune para que a gente preste atenção e nunca mais repita o erro.
Essa dor, por mais que a odiemos, é útil. É ela que nos ensina no que devemos
prestar atenção quando somos pequenos ou quando estamos distraídos. Ela nos
ajuda a descobrir o que faz bem e o que faz mal. Ajuda a entender e aceitar
nossas limitações. Ensina a não brincar perto de um fogão aceso nem enfiar
objetos de metal em tomadas. Sendo assim, nem sempre é benéfico evitar a dor e
buscar apenas o prazer, já que às vezes a dor tem importância vital para nosso
bem-estar.
E não existe apenas a dor física. Como qualquer um que já tenha sido
obrigado a assistir ao Episódio I de Star Wars pode confirmar, nós, humanos,
também somos capazes de sofrer extrema dor psicológica. Na verdade, pesquisas
descobriram que o cérebro não registra muita diferença entre a dor psicológica e
a física, então, quando digo que senti meu coração ser atravessado lenta e
repetidamente por uma adaga quando minha primeira namorada me traiu e me
largou, é porque doeu tanto que daria no mesmo se tivessem realmente cravado
uma adaga lenta e repetidamente no meu coração.
Assim como a dor física, a dor psicológica indica que há um desequilíbrio,
que algum limite foi excedido. E, também como a dor física, a psicológica nem
sempre é indesejável ou de todo ruim. Em certos casos, passar por dores
emocionais ou psicológicas pode ser saudável ou mesmo necessário. Assim como
bater o dedão nos treina para esbarrar menos em mesas, a dor emocional
provocada por rejeição ou fracasso nos ensina a evitar os mesmos erros no
futuro.
O que nos leva a deduzir um dos grandes perigos de uma sociedade que se
esquiva cada vez mais dos inevitáveis desconfortos da vida: perdemos o benefício
da passagem por doses saudáveis de dor, e essa perda nos desconecta da
realidade.
Você pode ficar com água na boca ao imaginar uma vida livre de problemas,
repleta de felicidade e compaixão eternas, mas aqui no mundo real os problemas
nunca cessam. Sério, eles não acabam. O Panda da Desilusão acabou de passar
aqui. Ele me contou tudo enquanto tomávamos margaritas:
Os problemas nunca somem, eles só diminuem.
avatar
Jack5parow
MENSAGENS : 2

REPUTAÇÃO : 0

Re: [TEXTO] Trecho do livro "A sutil arte de ligar o foda-se"

em 23/3/2018, 06:10
Gostei bastante do texto, obrigado pelo compartilhamento.
avatar
Luis Martins
Lupino
MENSAGENS : 940

REPUTAÇÃO : 222

Re: [TEXTO] Trecho do livro "A sutil arte de ligar o foda-se"

em 24/3/2018, 20:37
Muito bom o trecho!
Nos faz pensar em reclamar menos de tudo o que acontece conosco.
Nada é por acaso. Tudo tem o seu tempo e o seu limite. O que temos de fazer é aprender com nossos erros para não cometermos novamente. Nos privando de sentir dor e nos abrindo para novas experiências. Tanto ruins quanto boas.

______________________________________________________

If you can't stop thinking about it, don't stop working for it.

              
Conteúdo patrocinado

Re: [TEXTO] Trecho do livro "A sutil arte de ligar o foda-se"

Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum